Paternidade (3)

Preocupa-me a velocidade com que o tempo passa. Daqui a poucos meses a minha vida vai mudar completamente com a chegada de alguém que eu ainda não conheço, mas que já amo incondicionalmente. E parece ridículo amar assim. Quase tão ridículo quanto conversar com ela através da barriga da mãe. Sinto-me um poço sem fundo de ansiedade, variando entre a euforia e o peso da responsabilidade. Acordo no meio da noite e fico preocupado se ela vai ter roupas ou fraldas suficientes. Quero deixar tudo pronto. Quero estar pronto. Quero ser o melhor pai do mundo.