“(…) But I can’t find a better way to be…”

Anúncios

A segunda pele

segundapele

A realidade é uma terrível aglomeração de substantivos: barulho, poluição, cimento, poeira, calor, pessoas, feiura, maldade. Tudo agride e tudo agrava. Talvez por isso eu goste de me sentir envolvido em uma película transparente. Dessas de uso doméstico mesmo, como uma segunda pele, uma camada mais ou menos blindada a me proteger e separar do mundo lá fora. Porque nunca me sinto como alguém que faz parte de nada. Pareço ver a vida através dessa película, como se estivesse sempre do outro lado, vendo tudo através do vidro: da janela de casa, da janela do carro, da janela do trabalho, da janela do avião, da janela virtual da televisão ou do computador. Sempre envolto na película em que me sinto à salvo dessa incompreensível, inquietante e agressiva multidão, que se mexe e grita e zomba e fere, agitada como um vespeiro.

Conjugações

Eu continuo a sonhar de olhos abertos. Chove no meu presente e tenho as mãos sobre o volante, enquanto mil perguntas sem respostas ressoam na minha cabeça. O passado agora é um raio de sol no retrovisor. Nem lembro mais o que me deixa pensativo. Vejo tanta coisa mudar ao meu redor, apesar dos meus esforços e limitações – ou, talvez, por eles. Não sei. Mas sinto que nunca acompanho nada, nunca entendo nada do que deveria/gostaria. Ainda me sinto completamente perdido enquanto adulto, homem, ser humano. Habitam no meu peito uma série de medos paralisantes. E tenho essa vontade estúpida de deixar de escrever na primeira pessoa e tentar um pouco mais de “tu”, “nós”, “eles”. Não confio na minha capacidade criativa e imaginativa nesse sentido, mas gosto de desafios. Por isso, não escondo o desejo de estar em outras conjugações e de acolher, ao final do dia, uma oferta de gestos e sorrisos.

Pessoas

Quantas pessoas você conhece? Quantas pessoas você conheceu durante toda a vida (de conhecer mesmo, não apenas um contato superficial)? Uns 50? Chega a 100? E quantas dessas pessoas fazem parte de um círculo menor de amigos/conhecidos/colega/familiares que você ainda mantém?

Aposto que é um número relativamente pequeno. É neste minúsculo grupo de pessoas que vivemos boa parte da nossa vida. Família, amigos, amores, tudo isto cabe aqui.

Agora vem o dado curioso: existem 7 bilhões de pessoas no mundo.